Programação em C e C++

Precisando de ajuda entre em contato com equipe SGP e solicite uma assessoria com a melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos pelo e-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

HTML E CSS

Precisando de ajuda entre em contato com equipe SGP e solicite uma assessoria com a melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos pelo e-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Desenvolvimento Web

Precisando de ajuda entre em contato com equipe SGP e solicite uma assessoria com a melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos pelo e-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

TAMPLATES PARA SITES E BLOGS

Precisando de ajuda entre em contato com equipe SGP e solicite uma assessoria com a melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos pelo e-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Pages

terça-feira, 6 de abril de 2021

MAPA - ADS - SISTEMAS OPERACIONAIS - 51/2021

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447


MAPA - ADS - SISTEMAS OPERACIONAIS  - 51/2021

No início da computação pessoal, os computadores vinham com um sistema operacional embarcados e específicos para o hardware em questão. Uma importante evolução foi a padronização das arquiteturas de processadores e computadores que permitiram a utilização de Sistemas Operacionais transversais, ou seja, que eram fornecidos por outras empresas e funcionam corretamente em computadores de vários fabricantes distintos. Os dois sistemas operacionais mais populares que se enquadram nesse contexto são o Windows e o Linux.

 

Cada sistema operacional é implementado de uma forma e possuem características muito específicas, isso é ótimo, pois pode-se optar pelo sistema operacionais que melhor atende as nossas necessidades. Uma importante evolução foi a chamada virtualização, que permite que sejam criadas máquinas virtuais (VM) a partir de uma máquina física, desta forma pode-se ter vários ambientes específicos por VM, inclusive com sistemas operacionais distintos.

 

Um professor da UniCesumar possui um iMac, computador desenvolvimento pela Apple, que possui um Sistema Operacional próprio chamado MacOS. Esse professor precisa desenvolver um projeto para uma empresa que se utiliza de um software para modelagem orientada a objetos que só é disponível para Windows, para resolver esse problema o professor instalou o software VirtualBox e montou uma máquina virtual Windows e pôde desenvolver seus projetos, sem problemas.













O mesmo professor precisa agora criar uma nova maquina virtual no VirtualBox  a partir da distribuição Ubunto do Linux.

Agora é a sua vez, instale o VirtualBox na sua máquina e faça a criação de uma nova VM utilizando o Ubuntu (https://ubuntu.com/download/desktop) como sistema operacional.

COMO ENTREGAR A ATIVIDADE:

1. Apresente um documento com a sequência de passos que você tomou para a criação dessa nova máquina virtual. Faça no estilo de um tutorial (tela e explicação) como se fosse passar para um amigo executar igual.

2. Envie sua atividade em PDF ou .DOC.

3. Se forem detectados plágios, a nota será zerada.

Dica 1: Existem vários tutoriais de criação de VMs utilizando o VirtualBox no Youtube, não deixe de assistir aos vídeos ou a tutoriais em sites especializados.

Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao

MAPA - ENG SOFT - ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS E RELACIONAMENTOS - 51/2021

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447


ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS E RELACIONAMENTOS

 1ª QUESTÃO

Considere o trecho abaixo:

“Se as organizações são compostas de pessoas, o estudo das pessoas constitui a unidade básica para o estudo das organizações (...) Se as organizações são diferentes entre si, o mesmo ocorre com as pessoas. As diferenças individuais fazem com que cada pessoa tenha as suas próprias características de personalidade, suas aspirações, seus valores, suas atitudes, suas motivações, suas aptidões etc. Cada pessoa é um fenômeno multidimensional sujeito às influências de uma enormidade de variáveis.”

Idalberto Chiavenato. Recursos Humanos. Atlas: São Paulo, 1997, 4ª. Edição. Págs. 76-77.

As pessoas são diferentes entre si sob inúmeros aspectos. Há, portanto, um potencial significativo de conflitos entre elas. É esperado e até certo ponto desejável que haja conflitos entre as pessoas que estão trabalhando com objetivos comuns numa organização.

Esses conflitos devem ser gerenciados a fim de que não causem danos a produtividade e ao alcance dos objetivos organizacionais. A energia que emana dos conflitos deve ser canalizada como força de inovação e de soluções de cada vez mais eficientes a demandas internas ou de Mercado. A interação multifacetada de opiniões, visões de mundo, personalidades e experiências pessoais e profissionais, ainda que conflituosa, pode ser muito saudável para as próprias pessoas envolvidas nesses conflitos, como também para a organização. Esse é o sentido em que pode ser até mesmo desejável que haja conflitos nas organizações.

O desafio é administrar esses conflitos a fim de que eles tragam mais benefícios as partes envolvidas, que danos. Já que também possuem potencial de dano. Um dos mecanismos de administrarmos os conflitos de uma forma mais positiva é compreendendo a dimensão da percepção, que funciona como um filtro de interpretação da realidade.

“Toda pessoa tem seu sistema conceitual próprio, isto é, seu padrão de referência que age como filtro codificador, condicionando a aceitação e o processamento de qualquer informação. Esse filtro seleciona e rejeita toda informação não ajustada a esse sistema ou que possa ameaçá-lo. Há uma codificação perceptiva(percepção seletiva) que atua como defesa, bloqueando informações não desejadas ou não relevantes. (...)Aquilo que duas pessoas comunicam é determinado pela percepção de si mesmas e de outra pessoa na situação, graças a seus diferentes sistemas cognitivos e sua motivação naquele momento. (...) Percepção social é o meio pelo qual a pessoa forma impressões de uma outra, na esperança de compreendê-la. Apercepção social nem sempre é racional ou consciente: ‘percepção social é o meio pelo qual a pessoa forma impressões de uma outra, na esperança de compreendê-la. Empatia ou sensibilidade social é o meio pelo qual a pessoa consegue desenvolver impressões acuradas, ou compreensão atual dos outros.’”

Idalberto Chiavenato. Recursos Humanos. Atlas: São Paulo, 1997, 4ª. Edição. Pág. 102-103.

A partir do entendimento do funcionamento dessa percepção, você, como engenheiro de software, pode ser conduzido a compreender que todas as opiniões são válidas e respeitáveis, incluindo a sua própria. Que existe uma dinâmica de construção de soluções a partir dessas interações conflituosas.

Aqui, percebemos o grande valor de, como profissionais, aprendermos a lidar bem com o contraditório. O profissional precisa estar ao menos conceitualmente preparado em conduzir situações conflituosas, deforma que haja maior benefício a “causa maior” que une as partes que estão em conflito.

O desafio da liderança é o de gerenciar os comportamentos em favor de que os objetivos organizacionais sejam alcançados e em favor de um clima favorável ao trabalho em equipe. O engenheiro de software precisa compreender esse cenário e compreender seu papel. Sua contribuição pessoal e única a harmonização das diferenças em prol de uma convivência boa e produtiva. Isso é bom porque é produtivo para a organização, mas também para a sua própria carreira. Porque é na interação com os demais e na entrega dos resultados que o desenvolvimento profissional acontece. O engenheiro de software é um elemento ativo na construção do relacionamento e do clima de sua equipe de trabalho. Isso significa que ele precisa saber lidar com essa questão das diferenças entre as pessoas. Precisa entender os limites, aprender a empatia e entender os resultados que precisam ser entregues de forma individual e em time.

Não é só saber as questões técnicas da profissão, mas especialmente saber lidar com as questões humanas. Ele não vai conseguir entregar todo o seu potencial técnico se não souber se articular no relacionamento com as demais pessoas na organização. Ele poderá encontrar problemas e barreiras que não tenham a ver com as questões técnicas, mas com as questões humanas.

Imagine um engenheiro de software sênior, com vasta experiência profissional, conhecimento técnico de referência, mas que não consegue se relacionar de forma produtiva com as demais pessoas do time. Tem dificuldades de ensinar o que sabe, de explicar para os demais da equipe e para seus líderes o que está indo na direção errada e por que está. Imagine que essa pessoa seja alguém que tenha dificuldade em ser questionado ou contrariado. Imagine que essa pessoa tenha preferência em trabalhar sozinha e muitas dificuldades em trabalhar em equipe. Imagine que essa pessoa eventualmente tenha um comportamento interpretado pelos demais como arrogância.

As competências humanas são tão importantes quanto as competências técnicas para uma carreira bem sucedida. Isto porque, o trabalho é feito por humanos e é importantíssimo saber interagir com eles de maneira positiva e produtiva. Um desses aspectos de competência humana é saber administrar conflitos quando eles acontecem. E, claro, certamente acontecerão. Inúmeras vezes. Já que o “convívio com outros humanos” torna o surgimento de conflitos como algo muito natural, dadas as diversas diferenças entre eles.

Considere o trecho abaixo, sobre competências comportamentais, extraído de

Roberto Madruga. Treinamento e Desenvolvimento com Foco em Educação Corporativa. São Paulo: Saraiva, 2018, Kindle posições (págs) 694 a 716:

“Um importante estudo denominado

The emotional competence framework

,conduzido pelo

Consortium for Research on Emotional Intelligence in Organizations

, uma organização cuja missão é avançar a pesquisa e a prática da inteligência emocional e social por meio da geração e intercâmbio de conhecimentos, classifica competências pessoais e sociais, promovendo uma melhor compreensão em diversos campos. Quanto às competências pessoais, o estudo as divide em três tipos, que são explicados no Quadro 1.2.”

“Com relação ao autoconhecimento ( autoconsciência ), os perfis dividem-se entre três majoritários. O primeiro, atenção ao emocional, identifica melhor nossas emoções e nos ajuda a entender por que assentimos, bem como seus efeitos e impactos na performance profissional. O segundo, auto avaliação, revela os limites, as forças e as fraquezas; as pessoas que têm esse tipo de competência são abertas a novas perspectivas e aprendizados, valorizando as experiências próprias. O terceiro, autoconfiança, está relacionado a pessoas determinadas, capazes de tomar decisões mesmo sob forte pressão e que causam impacto com sua presença.”

“Os indivíduos também divergem na forma como se motivam. Por isso, pessoas impulsionadas pelas conquistas ( Direcionamento ) focam em resultados, procurando manter um alto padrão por meio de desafios. Pessoas compromissadas ( Comprometimento ) buscam alinhar seus objetivos com os da organização, procurando um propósito nas tarefas que recebem. Já as que prezam pela Iniciativa buscam cumprir objetivos além dos esperados, sempre atentas às novas oportunidades. Outras preferem valorizar as recompensas (Otimismo) acima dos obstáculos, sendo persistentes.”

“A importância desse estudo é o aprofundamento do conceito de competência comportamental, ampliando as possibilidades de os educadores capacitarem pessoas com perfis diversos utilizando técnicas diferentes. Finalizada a apresentação das quatro categorias de competências, analisarei a primeira delas (Tipo de aplicação), pois é a mais comentada pelas organizações e é composta por competências técnicas, comportamentais e híbridas. A Figura 1.3 apresenta o relacionamento (ou não) entre elas. Figura 1.3Competências híbridas são formadas por competências técnicas e comportamentais.”















“As competências comportamentais auxiliam o ser humano a identificar suas emoções de maneira consciente, permitindo que o indivíduo tempere seu comportamento e suas atitudes profissionais para alcançar ótimos resultados no ambiente de trabalho. Desenvolver competências comportamentais significa modificar características e valores pessoais, o que, de fato, é uma tarefa árdua e de longo prazo, contudo comprovadamente possível. Diariamente vivencio exemplos de pessoas que evoluem comportamentalmente em competências despertadas, várias vezes, por ações de desenvolvimento. A verdade é que muitas empresas investem mais na capacitação das competências técnicas do que na das comportamentais. O que pode ser contraditório se considerarmos que o futuro das organizações inteligentes é aumentar os treinamentos comportamentais e híbridos. Devemos lembrar que as capacidades técnicas estão cada vez mais facilitadas por conta das novas tecnologias. Deve-se considerar, também, que pode haver preconceito por parte de alguns integrantes da alta direção das empresas ao acharem que um treinamento comportamental não tem tanta utilidade. Pura desinformação! Por experiência, posso afirmar que desenvolver aspectos comportamentais nos colaboradores aumenta a satisfação deles para com a empresa, faz que se sintam mais seguros, além de adquirir senso de pertencimento e vontade de acertar.”

As competências comportamentais, portanto, precisam ser desenvolvidas no profissional engenheiro de software, de modo que ele esteja apto a contribuir de forma mais efetiva com as demais pessoas que compõem o seu time, de modo que seu conhecimento técnico faça ainda mais diferença. Desenvolver-se profissionalmente implica em desenvolver-se também em suas competências comportamentais.

Suponha que como engenheiro de software o seu gestor tenha reunido a equipe e solicitado de cada integrante um projeto de desenvolvimento de competências comportamentais. A ideia é que ele tenha subsídios para ações junto com a equipe toda, aproveitando as melhores ideias e planos de ação apresentados. A equipe tem sofrido alguns desgastes com problemas de relacionamento e existem alguns conflitos que estão causando distanciamento entre as pessoas e alguns ressentimentos. Há indisposição e certo receio por parte das pessoas do time em dar ideias e cooperar uns com os outros.

 

Elabore o seu plano , tomando por base o conteúdo abordado no livro didático da disciplina. Você pode fazer uso de outros materiais ou recursos também. Você deve dizer quais passos práticos poderão ser dados para cada um dos itens do plano, fazendo as justificativas adequadas de porque cada um desses passos práticos são adequados ao desenvolvimento das competências.

 

Seu plano de desenvolvimento de competências comportamentais precisa contemplar os seguintes pontos:

- Proposta de metodologia de desenvolvimento pessoal e profissional

- Metodologia para administração de conflitos (etapas, perguntas direcionadoras, ações etc)

- Papel que a liderança deve exercer

- Argumentação sobre a necessidade de alinhamento de valores

- Princípios para uma negociação do tipo ganha-ganha.

 

Para fins de esclarecimento, alguns exemplos de passos práticos para desenvolvimento de competências comportamentais seriam:

- Iniciar mentoria em comunicação assertiva e não violenta

- Fazer uma pesquisa sobre técnicas de atendimento e negociação

- Pedir para o gestor imediato feedbacks com pontos de melhoria comportamentais

- Mapear por escrito qual é o real problema que está por detrás do conflito que se apresentou.

- Mapear os papéis e interesses comuns entre as partes que estão em conflito.

- Criar uma reunião semanal de compartilhamento de conhecimento comportamental, onde cada pessoa da equipe traz um tema a cada semana

Um ponto de extrema relevância:

não basta apenas apresentar de modo superficial a ação, você deve descrever como executar a mesma.

Não se limite apenas ao texto apresentado. Caso necessite criar alguma situação não apresentada para justificar um item de sua política de segurança, não há restrições. Seja criativo e utilize como referência todo o conteúdo da disciplina.

AVISOS IMPORTANTES

Sua atividade deve, obrigatoriamente, ser entregue por meio de um único arquivo em formato DOC ou PDF, contendo a resolução, de acordo com as orientações descritas acima.

Criatividade e originalidade serão um dos principais critérios de avaliação durante a correção do Mapa!

Cópias e plágios serão penalizados com nota zero! Lembrem-se, toda e qualquer pesquisa precisa ser referenciada ao final do arquivo que será entregue.

Seu texto deve possuir no mínimo uma página e no máximo duas de conteúdo.


#ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS E RELACIONAMENTOS #AssessoriaSGP #Unicesumar

Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao

MAPA - TI - ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS E RELACIONAMENTOS - Unicesumar

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447


As pessoas são diferentes entre si sob inúmeros aspectos. Há, portanto, um potencial significativo de conflitos entre elas. É esperado e até certo ponto desejável que haja conflitos entre as pessoas que estão trabalhando com objetivos comuns numa organização. O desafio é administrar esses conflitos a fim de que eles tragam mais benefícios as partes envolvidas, que danos. Porque eles também possuem potencial de dano. Um dos mecanismos de administrarmos os conflitos de uma forma mais positiva é compreendendo a dimensão da percepção, que funciona como um filtro de interpretação da realidade.

Leia o texto abaixo:

“Toda pessoa tem seu sistema conceitual próprio, isto é, seu padrão de referência que age como filtro codificador, condicionando a aceitação e o processamento de qualquer informação. Esse filtro seleciona e rejeita toda informação não ajustada a esse sistema ou que possa ameaçá-lo. Há uma codificação perceptiva(percepção seletiva) que atua como defesa, bloqueando informações não desejadas ou não relevantes. (...)Aquilo que duas pessoas comunicam é determinado pela percepção de si mesmas e de outra pessoa na situação, graças a seus diferentes sistemas cognitivos e sua motivação naquele momento. (...) Percepção social é o meio pelo qual a pessoa forma impressões de uma outra, na esperança de compreendê-la. Apercepção social nem sempre é racional ou consciente: ‘percepção social é o meio pelo qual a pessoa forma impressões de uma outra, na esperança de compreendê-la. Empatia ou sensibilidade social é o meio pelo qual a pessoa consegue desenvolver impressões acuradas, ou compreensão atual dos outros.’” Idalberto Chiavenato. Recursos Humanos. Atlas: São Paulo, 1997, 4ª. Edição. Pág. 102-103.

Considerando o trecho acima, você, como líder de um time de Tecnologia da Informação, pode compreender que todas as opiniões são válidas e respeitáveis, incluindo a sua própria. E, que existe uma dinâmica de construção de soluções a partir dessas interações conflituosas. Pesa sobre a liderança a responsabilidade de conseguir engajar essas pessoas diferentes (e com grande potencial conflituoso) ao trabalho em conjunto, de cooperação, em busca de objetivos organizacionais. Chiavenato (1997) demonstra que o setor de tecnologia da informação oferece um ambiente desafiador para a gestão dos conflitos:

“Parece haver estreita ligação entre a tecnologia utilizada pela organização e as características das pessoas envolvidas e os sistemas administrativos apresentados. Quanto mais desenvolvida e sofisticada a tecnologia, maior o preparo humano e maior a necessidade de utilizar o Sistema 4. O Sistema 1 é geralmente encontrado em organizações que utilizam mão de obra intensiva e adotam tecnologia rudimentar, onde o pessoal empregado é de baixa qualificação profissional e de baixo nível instrucional. É o sistema empregado na área de produção das empresas de construção civil ou de construção industrial, por exemplo. O Sistema2 é frequentemente encontrado em empresas industriais que utilizam tecnologia mais apurada e mão de obra mais especializada, mas mantendo ainda alguma forma de coerção para não perder o controle sobre o comportamento das pessoas. É o que ocorre na área de produção e de montagem da maioria das empresas industriais e dos escritórios de certas fábricas. O Sistema 3 é usualmente empregado em empresas de serviços, como nos bancos e financeiras ou em empresas industriais com tecnologias avançadas e com políticas de pessoal mais abertas. O Sistema 4 é ainda por pouco encontrada na prática, predominando em organizações que utilizam tecnologia sofisticada e onde o pessoal é extremamente especializado e desenvolvido, como nas agências de propaganda, nas organizações de consultoria em engenharia, administração, auditoria ou processamento de dados etc.” Idalberto Chiavenato. Recursos Humanos. Atlas:São Paulo, 1997, 4ª. Edição, p. 150-151..



Para o gestor em tecnologia da informação, é de essencial importância compreender o sistema administrativo em que está inserido, em sua atividade profissional e na organização em que atua. Em certa medida, as decisões que precisará tomar e a sua atuação junto ao time precisarão estar coerentes a um sistema administrativo que rege de forma mais geral sua área de atuação e sua organização. Em outras palavras, a forma de liderança que o gestor em tecnologia da informação irá praticar com seu time deverá depender menos de seu estilo ou convicções pessoais, que do segmento em que está inserido.

Imagine um gestor em tecnologia da informação cujas competências técnicas e comportamentais estejam mais associadas ao Sistema 1, por questões de perfil pessoal, experiências profissionais anteriores, aspectos de sua educação formal, história de vida etc. É possível imaginar que haverá imensas dificuldades práticas, sendo esse gestor contratado para gerenciar um time de tecnologia da informação, uma vez que nesse segmento, o Sistema 4 oferece um paradigma administrativo mais coerente.

Em Sistemas Administrativos do tipo 4, as pessoas costumam ser ativas na construção de soluções; costumam se sentir capazes de serem protagonistas em transformações de realidades, internas ou internas. Pela atividade profissional, é comum que tenham alto nível de criticidade e que estejam, por si só, engajadas em seu próprio desenvolvimento profissional e construção de suas carreiras.

Nesse ambiente, é provável que os inevitáveis conflitos, que são próprios da interação humana, ganhem potencial construtivo ainda maior, na mesma proporção em que a administração desses, por parte da liderança, seja ainda mais imprescindível, estratégica e competente.

O desenvolvimento profissional e humano do gestor de tecnologia da informação precisa ser constante e estar a altura dos desafios diários de engajamento de pessoas e administração dos inevitáveis e até mesmo desejáveis conflitos em suas equipes. Sua atuação será determinante para o sucesso de sua equipe e consequente sucesso de sua organização perante o Mercado.

Como podemos perceber, é bastante natural que haja conflitos no ambiente corporativo. Ele é formado por pessoas! A liderança exerce um papel de importância estratégica para que os resultados organizacionais sejam alcançados pelos times. Um gestor em Tecnologia da Informação precisa estar capacitado em fazer uma boa administração de conflitos em seu time e precisa conseguir assegurar que os resultados organizacionais sejam alcançados. Isso demanda habilidades técnicas, mas especialmente, habilidades comportamentais.

Considere a Unidade IV do livro didático da disciplina Administração de Conflitos e Relacionamentos(FILIPPIN, Marcelo; SILVA, Patrícia Rodrigues da; KOYAMA, Renata Emy. Administração de Conflitos e Relacionamentos.

Maringá-Pr.: UniCesumar, 2013. Reimpresso em 2019, pp. 110-115).

O trecho apresenta competências comportamentais que um gestor em tecnologia da informação precisa desenvolver para administrar conflitos. Considere os comportamentos, atitudes mentais e habilidades ali descritas como exemplos de competências comportamentais, conforme citado aqui anteriormente.

Pois bem, nesta atividade MAPA, coloque-se na posição de um Gestor em Tecnologia da Informação e elabore um roteiro de ações práticas para administração de conflitos em um time no Sistema 4. Para isso, você precisa citar e descrever um conflito em sua equipe e, em seguida elaborar o roteiro de ação de como você administraria esse conflito.

Em seu roteiro devem ser contemplados os seguintes itens:

Quais passos você daria?

Quais decisões tomaria?

De que forma se comunicaria com as partes envolvidas no conflito?

Que mecanismos usaria para criar consenso entre as partes?

Essas são perguntas orientadoras para que você compreenda o nível de detalhamento que o seu roteiro de ação precisa ter. Você não precisa se prender a elas. Seu roteiro deve ter a descrição de passos sequenciais, ações, comportamentos que você teria, explicando ou justificando cada um desses passos. Você deve fundamentar suas justificativas, usando o livro didático da disciplina ou algum outro material devidamente referenciado.

Dica: tome como base para apresentação do conflito, exemplos do seu próprio cotidiano na empresa onde trabalha. Caso não seja possível, seja criativo e descreva uma situação fictícia que represente um conflito.


Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao

MAPA - TÓPICOS ESPECIAIS - 51/2021

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447


Padrões arquiteturais são criados com o objetivo de melhorar a qualidade das aplicações desenvolvidas, neles se destacam dois modelos: monolítico e micro serviço. Atualmente a arquitetura monolítica é a mais tradicional e a mais utilizada para o desenvolvimento de aplicações devido à sua popularidade no mercado. Em uma arquitetura monolítica os serviços que compõem a aplicação são organizados de forma lógica no mesmo código fonte e unidade de instalação, sempre com um alto acoplamento entre os componentes (SOUZA, 2016).

O conceito de microsserviço vem se tornando forte e ganhando destaque como um estilo de desenvolver software cada vez mais atraente (FOWLER E LEWIS, 2014). Conforme Fowler e Lewis (2014), o termo "Arquitetura de microsserviços" surgiu nos últimos anos para descrever uma maneira particular de projetar aplicativos de software como suítes de serviços implementáveis independentemente.

Imagine que você é um arquiteto de software na empresa Exemplo Soluções em TI e precisa explicar a dois clientes sobre a escolha entre a Arquitetura de microsserviços ou Arquitetura Monolítica. Onde:



Cliente 1: possui um sistema com a arquitetura monolítica e quer alterar para uma arquitetura de microsserviços.

Cliente 2: quer desenvolver um sistema do zero usando uma arquitetura de microsserviços.

E para explicar a estes dois clientes, você como arquiteto de software realizou uma reunião em que explicou sobre as arquiteturas mostrando uma comparação entre cada uma delas, levando em consideração o tipo de sistema de cada um dos clientes.

Sua tarefa no MAPA é fazer a comparação entre: a Arquitetura de microsserviços e a Arquitetura Monolítica. Para isso use a estrutura do modelo abaixo.



Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao

MAPA - TI - GESTÃO DA QUALIDADE

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447


A Qualidade de Software está relacionada à Engenharia de Requisitos, pois os instrumentos de avaliação de qualidade serão aplicados, em parte, aos requisitos. Isso, com o intuito de conferir se eles foram totalmente atendidos, parcialmente ou não foram atendidos.

Assim, suponha quem um cliente está requisitando o desenvolvimento de um sistema simples para o Controle Financeiro de uma Loja de Auto Peças.

O sistema deverá conter as seguintes funcionalidades:

- Contas a Receber (inclusão, alteração, exclusão e consulta). Para tanto, cada receita deverá conter os seguintes dados: número de controle, descrição da receita, data de recebimento e valor recebido.

- Contas a Pagar (inclusão, alteração, exclusão e consulta). Para tanto, cada despesa deverá conter os seguintes dados: número de controle, descrição da despesa, valor a pagar, data de vencimento, data de pagamento e valor pago.

- Fluxo de Caixa (Contas a Receber, Contas a Pagar, Fechamento de Caixa, Balanço financeiro).

Com a posse desses dados, imagine que você seja um avaliador de qualidade na empresa desenvolvedor do sistema para o Controle Financeiro. Seu trabalho no MAPA é propor a elaboração de uma avaliação de qualidade através do Controle de Qualidade para o software desenvolvido e que será entregue ao cliente, afim de verificar se os requisitos solicitados foram atendidos ou não atendidos.



Dessa forma:

1. Estabeleça um critério para avaliação. Por exemplo: "Sim ou não", "0 a 10", "1 a 5" , “de acordo”, “atendido” etc., classificando cada item do critério para a informação da avaliação. Elabore uma tabela com os critérios de avaliação.

2. Elabore questões ou quesitos a serem respondidos pelo avaliador de acordo com os critérios de avaliação estabelecidos. As questões/quesitos podem ser divididas em seções ou por funcionalidades. Por exemplo: “A consulta permite a especificação de um período”.

3. Elabore uma tabela com as questões ou quesitos.

Importante: Deverá constar duas tabelas: Uma com os critérios de avaliação e outra com as questões ou quesitos a serem respondidos pelo avaliador.


Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao

MAPA - ESOFT - LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 51/2021

Atenção: Precisando de assessoria nos seus PROJETO entre em contato com a SGP

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Whats: (15) 99704-0447

Como motivação a essa atividade, trago a vocês uma breve contextualização do que iremos trabalhar e aprender aqui. Sempre gosto de começar uma disciplina, explicando o motivo e a importância de estudá-la no contexto acadêmico. A álgebra de conjuntos é fundamental no estudo da teoria da computação que, resumidamente, fornece meios para uma correta aplicação e entendimento dos conceitos de algoritmo, de computabilidade e, consequentemente, do que é solucionável em um sistema de computador. De certa forma, teoria da computação refere-se aos conceitos mínimos que qualquer estudante de computação e informática necessita saber.

A Lógica Matemática tem, hoje, aplicações concretas extremamente relevantes em diversos domínios. Uma aplicação notadamente importante da Lógica na vida moderna é seu uso como fundamentação para a Computação e, em especial, para a Inteligência Artificial. A Lógica é utilizada no planeamento dos modernos computadores eletrônicos e é por meio dela que se justifica a “inteligência” dos computadores atuais. No nosso mapa, iremos abordar diversos temas e que ao final veremos que todos eles possuem a mesma relação e são apenas abordados de forma diferente.

1. Lógica associado a programação

Antes de começarmos, vamos esclarecer o que é wffs, que basicamente nos orienta a ordem em que devemos tomar cada expressão. Expressões que formam cadeias válidas são chamadas de fórmulas bem-formuladas ou wffs (de well-formed formulas). A fim de reduzir o número de parênteses necessários em uma wff, estipulamos uma ordem na qual os conectivos são aplicados. Esta "ordem de precedência" é:

1. Conectivos dentro de parênteses, dos mais internos para os mais externos

2. ‘ ou ~

3. ^ ou U

4. →

5. ↔

Exercício 1. Seja (~A) U (A ^ B) U (A ^ B ^ C)

Construa uma tabela verdade que defina a solução para a proposição dada.

2. Lógica Associado aos Conjuntos

Tradicionalmente, diz-se que a Lógica é a ciência do raciocínio ou que está preocupada com o estudo do raciocínio. Ainda que atualmente esta ideia possa ser considerada insuficiente ou mesmo ultrapassada devido à enorme dimensão e diversidade que tem alcançado este ramo comum da Filosofia e da Matemática, ela pode servir como uma primeira aproximação para o conteúdo da Lógica. Inicialmente tratamos sobre tabela verdade, posteriormente a isso, tratamos sobre teoria de conjuntos. Será que esses conteúdos possuem ligação entre si? A seguir, lhe mostro uma tabela que prova que tanto a tabela verdade quanto teoria de conjuntos, tratam-se do mesmo assunto, abordado de forma diferente. Veja:



























Exercício 2.

Seja (~A) U (A ^ B) U (A ^ B ^ C)

Pensando no que foi descrito, construa um diagrama de Venn, que traduza a solução da proposição lógica dada.

3. Conetivos lógicos × operações sobre conjuntos

Os circuitos elétricos são utilizados para ligar dispositivos elétricos e eletrônicos de acordo com suas especificações de funcionamento, referentes à tensão elétrica de operação e à corrente elétrica suportada pelo dispositivo. Além disso, são usados para distribuição da energia elétrica em residências e indústrias, conectando diversos dispositivos elétricos por meio de fios condutores, conectores e tomadas. De acordo com seus componentes básicos, um circuito elétrico pode desempenhar diversas funções: eliminar picos de corrente elétrica, que são prejudiciais para alguns aparelhos mais sensíveis; aumentar a tensão elétrica de entrada ou, até mesmo, abaixá-la; transformar uma corrente alternada em uma corrente contínua; aquecer algo, entre outras.

Considerando o conceito de circuito elétrico. Crie um circuito utilizando o software “logisim” ou similar que traduza a proposição lógica dada.

 (~A) U (A ^ B) U (A ^ B ^ C)

Atenção: Precisando de ajuda entre em contato com a SGP e solicite uma assessoria com melhor equipe do mercado no desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

E-mail: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com

Facebook: fb.me/ajudaemTrabalhosdeprogramacao


 
Copyright © 2021 SGP todos os direitos reservados.
Contato para trabalhos: ajudastrabalhosprogramacao@gmail.com